Weby shortcut 1a5a9004da81162f034eff2fc7a06c396dfddb022021fd13958735cc25a4882f
topo novo
ColoquioEsporte

Colóquio Esporte, Corpo, Gênero e Sexualidade - 17/11 - 18 horas

O Ser-Tão, Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade, e o Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) convidam a todos/as para o Colóquio Esporte, Corpo, Gênero e Sexualidade, que ocorrerá na próxima terça-feira, dia 17/11, às 18 horas, na Sala de Defesa do prédio novo da Faculdade de Ciências Sociais e da Faculdade de Filosofia, no campus 2 (Samambaia), da Universidade Federal de Goiás (UFG). O evento é aberto à participação de todos/as. Haverá entrega de certificados.

O primeiro convidado é o Prof. Michael Staack, do Departamento de Sociologia da Universität Frankfurt am Main, da Alemanha. O título de sua fala será "The body in Mixed Martial Arts: an ethnographyc approach". Haverá tradução simultânea.

Resumo: Participantes e observadores descrevem frequentemente o MMA (Mixed Martial Arts), que permite bater e chutar o adversário enquanto ele ainda está deitado no chão, como uma competição "ultimate" ou mesmo uma "luta primitiva". Esta descrição e o fato de que a maioria dos lutadores de MMA são do sexo masculino levanta a questão de até que ponto existe uma "inscrição" específica de gênero, radicalizada em práticas de treinamento da modalidade, que poderia ser usada para (re)afirmar dada masculinidade dominante. Pesquisadores/as geralmente explicam as conexões entre constructos de gênero e MMA de modo bastante genérico, permeando discursos culturais acerca do gênero. Em contraste com estas abordagens dedutivas, eu gostaria de apresentar uma abordagem baseada em observações etnográficas. Desse modo, o meu objetivo é explicar por que e como métodos de treinamento de MMA podem ser usados como uma estratégia para (re)afirmar a masculinidade dominante - e quais são os limites desse intento. Além disso, gera-se um ambiente em que tal masculinidade pode ser reafirmada: um ambiente homosocial combativo e uma forte moralidade masculina instituída, onde práticas corporais são comemoradas e visam imunizar o próprio corpo contra potenciais agressores.

**************************

O segundo convidado é o Prof. Wagner Xavier de Camargo, que é Pós-doutorando pela FAPESP e atua no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O título de sua fala será "Sexualidade como princípio estrututador da prática esportiva?".

Resumo: Em geral, o campo esportivo não endereça apropriadamente questões relativas à sexualidade e, quando dá vazão a isso, é de modo pejorativo ou jocoso, via mídia, sobre algum relacionamento inusitado que veio à público ou a orientação sexual não-heterossexual de algum/a atleta de destaque. A partir de uma etnografia multisituada em competições esportivas internacionais de gays, lésbicas, bissexuais e pessoas trans, identifiquei que a sexualidade poderia exercer um papel central nas decisões desses sujeitos pela participação em tais eventos. Diante disso, elaboro algumas considerações reflexivas sobre gênero e sexualidade em espaços esportivos de modo a problematizar o foco na sexualidade como princípio estruturador da participação nos esportes.

ColoquioEsporte

Listar Todas Voltar